Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

ECOCÍDIO: O TEMA DA MODA EM DIREITO AMBIENTAL

Olá meus amigos do site, bom dia. 

Vocês sabem que quem lê o blog fica sabendo dos temas mais quentes do direito antes da maioria dos concurseiros, então hoje vamos falar de um tema que ganhou destaque no BRASIL após a edição do decreto que extinguiu a RENCA. O tema já vem sendo discutido há um tempo, mas o destaque mesmo no Brasil foi com a extinção da RENCA. 

Vamos ao conceito de ecocídio:  a destruição em larga escala do meio ambiente. Como bem esclarece a seguinte passagem do site CONJUR: Em setembro de 2016, a Procuradoria do TPI publicou um documento de trabalho explicando que, a partir de agora, o tribunal interpretará os crimes contra a humanidade de maneira mais ampla, para incluir também crimes contra o meio ambiente que destruam as condições de existência de uma população porque o ecossistema foi destruído, como no caso de desmatamento, mineração irresponsável, grilagem de terras e exploração ilícita de recursos naturais, entre outros.

O ECOCÍDIO foi um dos argumentos utilizados pelo MPF contra a extinção da RENCA, vejamos o trecho da petição do colega Joaquim (oriundo do 28 CPR): 

Ainda que editado novo Decreto, perdura o ecocídio intentado pelo ato presidencial de extinção da RENCA, tendo em vista o grave prejuízo ao meio ambiente e aos povos indígenas, comunidades tradicionais e à humanidade como um todo.
A extinção da RENCA na Amazônia legal viola diversos compromissos internacionais firmados pela República Federativa do Brasil, configurando-se um verdadeiro “ecocídio”, vez que causará a destruição em larga escala do ecossistema amazônico, com a maximização da exploração mineral de área preservada.

Com efeito, por ocasião da edição do “Policy Paper on Case Selection and Prioritisation”, a Procuradora do Tribunal Penal Internacional (TPI) decidiu, no final de 2016, reconhecer o “ecocídio” (termo que designa a destruição em larga escala do meio ambiente) como 'crime contra a Humanidade', sujeitando seus autores a jurisdição do TPI.
Neste contexto, o Escritório da Procuradora do TPI dará atenção especial para processar crimes do Estatuto de Roma que são cometidas por meio de exploração ilegal dos recursos naturais ou a desapropriação ilegal de terras ou que resultam em destruição do meio ambiente. Ressalte-se que o Direito ao Meio Ambiente Ecologicamente Equilibrado é verdadeira Norma jus cogens, isto é, Norma Imperativa do Direito Internacional, a qual não admite derrogação, seja pela Ordem Interna, seja pela Ordem Internacional.
Assim, a ampliação não planejada de exploração mineral em área de proteção ambiental qualificada na Amazônia, como a RENCA, ensejará grave lesão ao meio ambiente e, consequentemente, a toda humanidade, razão pela qual o ato impugnado deve ser anulado. 

Portanto, pessoal, hoje a destruição em larga escala do meio ambiente pode sujeitar o infrator a jurisdição do TPI, já que a Procuradoria da Corte dará uma interpretação extensiva aos delitos contra a humanidade, reconhecendo o ecocídio com um deles. 

Quem estuda para MPs, especialmente MPF, tem que estar com o tema na ponta da língua, pois pode vir ser chamado a dissertar sobre, OK? 

Gostaram da dica? Espero que sim. 

Bons estudos a todos. 

Eduardo, em 6/10/17
No Instagram: @eduardorgoncalves

7 comentários:

  1. Resumindo, vamos perder a Amazônia para a comunidade internacional.

    Ótimo trabalho com o blog. Obrigado por tudo!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela ótima dissertação Eduardo!

    ResponderExcluir
  3. Sempre diferenciado este site. Parabéns Dr. Eduardo!

    ResponderExcluir
  4. Muito foda! Eu estou começando os estudos pro MPF. Quero ser Procurador da República!

    ResponderExcluir
  5. Show de bola! Estou começando os estudos pro MPF. Estou reunindo as doutrinas, começarei por Eugênio Pacelli - Processo Penal. Rs

    ResponderExcluir
  6. parabéns mais uma vez pela abordagem simples e precisa!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!