Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

NOVIDADES DO NOVO CPC: CABIMENTO DE RECLAMAÇÃO PARA GARANTIR A OBSERVÂNCIA DE REPERCUSSÃO GERAL!

Olá, pessoal!

Hoje trago uma dica rápida sobre uma novidade – dentre tantas – que está prevista no novo Código de Processo Civil, especificamente relacionada ao instituto da reclamação.

Sabemos que, pela previsão constitucional, a reclamação é cabível para a preservação da competência dos Tribunais – destacando-se o STF e STJ com previsão constitucional – e para a garantia da autoridade das decisões dos Tribunais, a exemplo das decisões do STF em controle concentrado de constitucionalidade.

Pois bem, antes do novo CPC, muito se discutia sobre o cabimento de reclamação para garantir a autoridade de uma decisão do STF em sede de recurso extraordinário com repercussão geral. Isso porque – de um modo ou de outro – as decisões do STF em recurso extraordinário são dadas em sede de controle difuso e deveriam ter eficácia apenas inter partes, razão porque se costumava negar reclamação nesses casos.

Nada obstante, na linha da valorização dos precedentes e da resolução de demandas repetitivas, o novo CPC expressamente permitiu o uso da reclamação para garantir a autoridade das decisões do STF em sede de recursos extraordinário com repercussão geral OU, até mesmo, as decisões do STJ em sede de recursos especiais repetitivos.

Todavia, meus amigos, há um DETALHE aqui! É que, para evitar que a reclamação seja usada como um sucedâneo recursal, o que é contrário ao entendimento consolidado do STF, o art. 988, § 5º, inc. II, do CPC, dispõe que só é admissível a reclamação se tiverem sido esgotadas as instâncias ordinárias. Ou seja, se ainda couber qualquer recurso, não caberá a reclamação. Eis a previsão da norma processual:

Art. 988 (...)
§ 5º. É inadmissível a reclamação:
II – para garantir a observância de acórdão de recursos extraordinário com repercussão geral reconhecida ou de acórdão proferido em julgamento de recursos extraordinários ou especiais repetitivos, quando não esgotadas as instâncias ordinárias.”

Portanto, meus amigos, a reclamação só caberá se tiverem sido esgotadas as instâncias ordinárias, caso contrário será inadmissível. Inclusive, recentemente, o STF aplicou essa previsão para inadmitir uma reclamação proposta pelo ex-governador do Amazonas (http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=350476).

Fiquem atentos a esta novidade e à peculiaridade! Grande abraço a todos!


João Pedro, em 01/08/2017.

3 comentários:

  1. Detalhe para o que o STF entendeu por "instâncias ordinárias", para fins de cabimento dessa hipótese de reclamação: Rcl 24686 ED-AgR/RJ

    ResponderExcluir
  2. ÓTIMO REALCE! TRAGAM MAIS INOVAÇÕES PONTUAIS DO CPC/15! OBRIGADA!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!