DICAS PONTUAIS PARA SUA APROVAÇÃO

DICAS E BIBLIOGRAFIA PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO DE SANTA CATARINA (MP/SC) E MAIS DICAS PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF/28CPR)

Caros concurseiros. Como andam os estudos? Já respondem a SUPERQUARTA? Não esqueçam em pessoal, a questão da semana já foi publicada. 
Hoje, voltamos com os post de DICAS E BIBLIOGRAFIA para compartilhar com vocês as DICAS DA FUTURA COLEGA AMANDA GUALTIERI VARELA, formada em 2011 e aprovada no MPF e MP-SC com menos de 2 anos de preparação. Não dá para perder essas dicas né? 
Desde já, agradecemos a Amanda por compartilhar conosco aquilo que deu certo para ela, e pode servir a todos nós. 
Do mesmo modo a parabenizamos por essas conquistas em período tão curto de tempo!
Quem pretende seguir a Amanda no IG procurem por @amandagualtierivarela. Sigam também @nathaliamariel e @eduardorgoncalves! 
Siga-nos ainda no Google, e votem em nossa enquete (canto direito de sua tela).


Seguem as dicas da Amanda: 


Oi, pessoal! Meu nome é Amanda Gualtieri Varela, tenho 26 anos e, recentemente, fui aprovada para os cargos de Procurador da República (MPF – 2013/2014) e de Promotor de Justiça (MP/SC – 2013). Desde que terminei a faculdade (janeiro/2012), direcionei meus estudos aos concursos de Ministério Público (estadual do RS e de SC e federal), pois sempre tive certeza de que esta era minha vocação. (Acredito que esse foco no MP abreviou meu período de preparação, na medida em que, desde a graduação, já estudava temas relacionais e estagiei no MPF.)
No primeiro ano de estudo (2012), fiz o curso intensivo I e II da LFG, o que foi muito válido. Esse curso aborda as “principais” matérias de diversos concursos (penal, civil, constitucional, administrativo, processo civil/penal...) de uma forma, em geral, aprofundada – o que fornece um excelente material de estudo: nosso caderno! Alguns professores migraram da LFG para o curso do Renato Saraiva em 2013, então não saberia dizer, hoje, qual a melhor opção! Além das aulas da LFG e de algumas doutrinas (que vou indicar a seguir), comecei a estudar “por conta própria” ambiental, consumidor, eleitoral, difusos e ECA (matérias com as quais tive pouco ou nenhum contato durante a faculdade) pelos livros da coleção de leis especiais da editora Jus Podivm.
Em 2013, comecei a direcionar meus estudos para o concurso do MPF (meu maior objetivo); comprei o curso para PR do Alcance (online) e comecei a assistir às aulas. Adquiri também algumas doutrinas das matérias específicas para o MPF que eu nunca tinha estudado (direito financeiro, internacional, econômico, direitos humanos). Já em março, no entanto, abriu o edital do MP de SC, o que fez com que eu deixasse as aulas do alcance e livros específicos para o MPF de lado. Assim, acabei nem assistindo a todo o curso do Alcance, mas acho que, de uma forma geral, ele me ajudou (alguns professores são excelentes, como o de tributário, e outros nem tanto – mas acho que é assim em qualquer curso). Acabei sendo aprovada para a 2ª fase do MP de SC e fui passar um mês em Floripa para fazer um curso preparatório – lá aprendi a fazer as peças de MP, o que foi fundamental também na 2ª fase do MPF.
Nesse meio tempo, abriu o edital do MPF, mas eu decidi que não faria a prova, pois, como estava estudando matérias de MP estadual, fiquei morrendo de medo de ir muito mal e perder a esperança de um dia passar no meu tão sonhado MPF. Graças a Deus, meu namorado (obrigada, amor!) me “obrigou” a fazer a inscrição. Fui para a prova objetiva sem nenhuma expectativa, mas acabei passando (eba). (Gente, sei que sou meio prolixa: falo demais, logo, escrevo muito também, mas estou contando tudo isso pra tentar mostrar que dá sim pra conciliar concursos estaduais e federais.)
Quando passei para a prova oral do MP de SC surtei muito! Nunca imaginei que chegaria tão longe naquele concurso e não me sentia nada preparada para passar. Acabei não fazendo nenhum curso específico para a oral (grande erro; é fundamental fazer cursos e treinar com os colegas, afinal, esse é um tipo de prova para o qual não nos preparamos durante a faculdade) e nem consegui estudar quase, pois o nervosismo me prejudicou demais. Apesar de tudo, passei, mas não pude tomar posse em função do período de prática jurídica.
Duas semanas depois da oral de SC, veio a 2ª fase do MPF (vocês já podem imaginar o quão confiante eu estava #soquenao). Mas no fim deu tudo certo e passei! Pra oral do MPF, estudei demaaaaais, já que era praticamente o 1º momento em que tive contato com as matérias específicas. Usei muito o santo graal (resumo elaborado pelos próprios candidatos do MPF, que é excelente) e fiz um curso com o prof. Vitorelli de um final de semana em SP. Além disso, simulei diversas vezes a prova oral com colegas de concurso – isso foi o mais importante. Prova oral também exige treino; às vezes sabemos a resposta, mas não conseguimos nos expressar verbalmente!
Bom, contada minha “história concursal” (hahaha), vou dar algumas dicas (meio óbvias, mas nunca é demais lembrar) que julgo importantes:
- estude focado no edital do concurso que deseja (isso evita estudo desnecessário);
- conheça o máximo possível os examinadores do concurso e leia seus livros, artigos, pareceres;
- faça muuuitas provas passadas (de todas as fases) do concurso e de outros concursos que tenham a mesma banca ou que sejam parecidos (ex: provas de vários MPs); no MPF, por exemplo, os temas são recorrentes... algo que consta em uma alternativa de uma questão objetiva pode ser objeto de uma questão dissertativa do ano seguinte. Por isso, indico fortemente os livros de comentários às questões objetivas e dissertativas do MPF da editora jus podivm!
- estude o máximo de horas possível por dia. Eu estudava, em média, umas 6h/7h, mas confesso que nunca fui muito regular (em alguns dias, estudava 10h, e em outros nada). No final de semana, se possível, também estude (eu acabava não estudando quase, porque já estudava bastante durante a semana);
- faça resumos dos temas mais importantes (embora, às vezes, pareça perda de tempo), pois eles ajudam na memorização e se tornam um material de rápido acesso;
- faça curso de português (em minha opinião, é fundamental); 
- tente saber, dos temas do edital, um pouco de tudo, para depois ir aprofundando. Não adianta muito ler uma doutrina densa sobre um ponto específico e acabar não tendo tempo para as outras;
- faça um planejamento das matérias e do número de horas que estudará na semana. Sem isso, acabamos estudando só o que gostamos e deixamos as matérias mais chatinhas esquecidas;
- leia SEMPRE os informativos. O site “dizer o direito” é ótimo para isso e para atualizações legislativas.


BIBLIOGRAFIA: além dos cadernos da LFG e do Santo Graal, indico as seguintes obras:


1) Constitucional: Gilmar Mendes, em alguns pontos (o livro é enorme), como controle de constitucionalidade. Li, ainda, para o MPF, o livro do Daniel Sarmento (além de ser ótimo, é muito utilizado pela Débora Duprat, examinadora do MPF). Tenho também o livro do Pedro Lenza, mas acabei não utilizando muito (acho meio superficial).

2) Administrativo:  usava, basicamente, o caderno da Fernanda Marinella da LFG (que adoro). Em alguns pontos, li José dos Santos Carvalho Filho e Celso Antônio Bandeira de Mello. Confesso que acho o CABM meio prolixo (olha quem falando), mas é válido aprofundar alguns temas com a obra dele.

3) Direito Processual Civil: sempre foi minha pior matéria! As aulas do Didier da LFG eram meu ponto de partida. Não gosto muito do livro do Daniel Assumpção (não que seja ruim, pelo contrário, mas não me identifico com os posicionamentos dele e não gosto muito da forma como ele escreve). Li, do Marinoni, o Teoria Geral; é muito bom, mas complexo – só vale pra quem tem muito tempo sobrando (ou seja, ninguém, provavelmente hehe). Os livros do Didier são ótimos, mas inteiro só li do de difusos (vol. 4).

4) Tributário: Sabbag!

6) Penal: minha matéria favorita. Como estudei muito durante a faculdade, não usei praticamente doutrina no período da preparação para concurso. Já tinha, desde a graduação, as obras do Bitencourt (mas confesso que não sou fã). Utilizei, para o MPF, o livro do examinador; vale a pena.

7) Processo Penal: eu adoro o livro do Eugênio Pacelli! Para quem almeja MP, ele é a melhor opção.

8) Econômico: primeiro li o livro de antitruste da Paula Forgioni e amei! Antes da oral, comprei a obra do Lafayete Josué Petter, porém não tive tempo pra ler muitos capítulos.

9) DIPu e DIPrivado: Utilizei o livro do Portela. Muita gente acha superficial, mas para mim – que não sabia quase nada de internacional – foi ótimo. Li alguma coisa também do Marcelo Varella.

10) Direitos Humanos: utilizei as obras do André de Carvalho Ramos e o livro do Portela. Além disso, li partes da Piovesan e o manual da ESMPU (disponível na internet).

11) Direito Civil:  Tartuce, em alguns pontos em que tinha mais dificuldade (ex: direitos reais). Gosto também das obras do Cristiano Chaves, mas são muito densas.  

12) Direito Eleitoral: Jaime Barreiros Neto (Sinopses para concurso da Jus podivm). Graças a esse livrinho, gabaritei eleitoral no MPF.

13) Consumidor: Leonardo Garcia (coleção de leis especiais da Jus Podivm). Esse livro é ótimo e mais do que suficiente.

14) Difusos: Hermes Zanetti (coleção de leis especiais da Jus Podivm). Li também o manual do Didier, mas esse aí é mais completo. Quem quer MP, tem que dar uma atenção especial para direitos difusos e coletivos!

15) Temas diversos: No caso do MPF, índios é um tema muito importante (assim como quilombolas), então utilizei os livros de leis especiais do Vitorelli da Jus Podivm sobre ambos os temas; utilizei muito também o livro da Flávia Cristina, dessa mesma coleção, sobre improbidade administrativa. Além desses, li os livros “Temas aprofundados”, tanto do MPE quanto do MPF, também da editora jus podivm (sim, eu amo as obras dessa editora). Indico, ainda, o Manual do Procurador da República (também da jus podivm).

Claro que cada pessoa precisa encontrar seus métodos próprios de estudo e sua bibliografia ideal, porém fico feliz em poder compartilhar os fatores que mais auxiliaram na minha preparação! Enfim, bons estudos! Essa jornada de concurseiro é um pouco sofrida, mas é muito recompensadora!


Era isso pessoal. Hora de focar os estudos. MPSC é um ótimo cargo. MPF também, e o 28 CPR está próximo. 



Novamente obrigado, e Parabéns a Amanda. 

Equipe do Blog. 

10 comentários:

  1. Algo que me IMPEDE psicologicamente de prestar concursos como os do MP e Magistratura é o tal rigor na atividade jurídica, saí recentemente da faculdade e não possuo nem 01 ano ainda, como vocês contornaram isso? Em especial o do MPF, que é um dos mais rigorosos nesse sentido? Em tempos de PEC 399 creio que estou condenado.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo excelente trabalho no Blog e pelas histórias de sucesso nos concursos.

    A Dr. Amanda, na indicação sobre Constitucional, falou do livro do Daniel Sarmento, mas ele tem vários... Sabem especificamente qual o mencionado?

    Grato por tudo e Abraços fraternos.
    Deus abençoe

    ResponderExcluir
  3. Preciso de um coach... estou me preparando para o MP estadual. Será que vocês podem me ajudar?

    ResponderExcluir
  4. O problema não é nem a prática jurídica! isso aí você tira de letra. Bastar ir realizar o papel de conciliador por 16 horas mensais durante um ano. Ou seja: escolha um dia da semana para ser conciliador por 4 horas. O grande problema, a meu ver, são as provas de TÍTULOS. Ora, eu queria MUITOOOOOOOO prestar MPF, mas não tenho nem chance. Mesmo que eu vá MUITO bem na prova, com certeza os outros irão também e, na nota final, ficarei fora da classificação, pois provavelmente irão me passar por causa dessas notas de títulos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, leia o artigo do Eduardo Gonçalves sobre prova de títulos (Aqui no site) e siga seu sonho

      Excluir
  5. Amanda, qual livro do Daniel Sarmento vc se refere?
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  6. Amanda, achei a ideia do curso de português interessante. Gostaria de saber o que, de fato, vc fez nessa área? Se seria um curso de português, de redação... Acho essencial ter boas noções de português tambem, não só para o concurso em si, mas principalmente para atividade profissional. Por isso me interessei pela dica, e se possível, gostaria de mais esclarecimentos acerca dessa sua sugestão!
    Grato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, quem lhe responde é o Eduardo.
      Antes de ingressar na Faculdade fiz cursos de redação (redação comum mesmo), o que me ajudou muito a desenvolver a escrita.
      Além disso, li uma boa gramática (Ernani Terra), que me ajudou demais escrever com retidão.
      Sugiro ainda, algum curso de rodadas de questões para que já aplique na prática a escrita, pois é isso que, de fato, importa.

      Att

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta, Eduardo! Pois é, um dos meus grandes arrependimentos é justamente não ter feito um curso de redação enquanto ainda estava no ensino médio. Fui aprender a escrever melhor nos estágios ao longo da faculdade, principalmente na Justiça Federal e no MPF.
      Vou procurar essa gramática que vc sugeriu. Faz tempo que estou atrás de uma indicação. Quanto à participação nesses grupos de rodada de questões, pretendo aderir mais frente. Por enquanto ainda estou na fase do TCC. estou colhendo orientações de bibliografia e lendo depoimentos para montar uma estratégia de estudos para os próximos anos.
      Parabéns pelo blog! Excelente!
      Att,

      André

      Excluir
    3. Caro Eduardo,
      Aproveitando a sua boa vontade, gostaria de saber sua opinião sobre os cursos intensivos online. Se acha válido e tal... Digo isso porque sou um péssimo aluno de sala de aula - leia-se não sou bom de copiar aulas, fazer caderno, etc. - sempre fui de estudar sozinho em casa por livros ou anotações de terceiros. Por outro lado, acho que seria interessante um curso desses para me dar um norte nos estudos, principalmente nesse início...
      Sou de salvador/ba, aqui temos um cursinho do juspodivm, só que é presencial, estão já o descartei. Vc tem alguma sugestão?
      Muitíssimo grato!

      Excluir

Sua interação é fundamental para nós!