Quem passa por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO.

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI.

PARTICIPEM DO NOSSO FÓRUM DE DISCUSSÕES.

RELATIVIZAÇÃO DO PRAZO DECADENCIAL DO MANDADO DE SEGURANÇA



Olá pessoal, após longa ausência retomo os trabalhos aqui no site a todo vapor (coaching e publicações).

Vamos primeiramente tratar do tema do dia de hoje e posteriormente trato do coaching.

Na publicação de hoje escolhi um tema inicialmente tranquilo que, no entanto, com a publicação de um precedente pelo Supremo, faz-se necessário trazer a atenção de vocês para o tema.

Primeira pergunta:

- Qual o prazo decadencial para que se impetre um Mandado de Segurança?

Bom como é amplamente notório, conforme dispõe o art. 23 da Lei do MS, o prazo é de 120 dias, senão vejamos:
Art. 23.  O direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado. 

Até aqui tudo tranquilo e sem nenhuma dúvida é óbvio.

Segunda pergunta:

- Esse prazo de 120 dias pode ser relativizado?

Para responder a esta pergunta é necessário que o candidato tenha conhecimento do caso concreto julgado pelo STF em que houve a relativização do prazo decadencial. (2ª turm. MS 25097/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes)

Cito trecho do acórdão que relativizou o prazo de 120 dias.

No caso dos autos, verifico que a preliminar de decadência suscitada é procedente. De fato, o acórdão do TCU impugnado foi publicado em 3.3.2004, enquanto o presente mandamus apenas foi protocolado em 13.10.2004, portanto mais de 120 dias após a ciência do ato impugnado, o que faria incidir a decadência estabelecida no art. 18 da Lei 1.533/1951 (atual art. 23 da Lei 12.016/2009).
Contudo, o processo não é um fim em si mesmo. No presente caso, há razões peculiares que justificam avançar na análise do pedido autoral, notadamente porque a impetrante é favorecida por decisão liminar concedida pelo então relator, min. Cezar Peluso, desde 10.11.2004. Assim, transcorridos mais de doze anos, é de questionar atualmente a pertinência de eventual reconhecimento puro e simples de decadência do direito de impetração do mandado de segurança. “

Verifica-se que por um equívoco do Ministro Cezar Peluso, houve a concessão da liminar, não obstante tenha se exaurido o prazo de 120 dias para que fosse impetrado o MS.

Em razão disso, o relator Min. Gilmar Mendes afirmou que:

"Assim, atento ao decurso de mais de doze anos desde o deferimento de medida cautelar em benefício da impetrante, não julgo oportuno declarar pura e simplesmente a decadência do direito de impetrar a presente ação mandamental. É preciso encontrar solução alternativa que leve em consideração a eficiência processual e a primazia da decisão de mérito, normas fundamentais já inclusive incorporadas à estrutura do novo processo civil brasileiro pela Lei 13.105, de 16 de março de 2015."

Portanto, vejam que em situações concretas como a do caso em análise o prazo decadencial de 120 dias pode ser relativizado. Trata-se de julgado de necessário conhecimento para todos os candidatos.

Agora vamos falar sobre o coaching/mentoring.

Estou com 5 vagas para coaching para advocacia pública e 5 vagas para mentoring inicial para concursos de analista de tribunais/MPU.

Caso tenham interesse mandem e-mail para coach.procuradorias@gmail.com ou mandem whatsapp para 061 – 98196-0175

Grande abraço meus amigos. E voltamos com força total.

Rafael Formolo


2 comentários:

  1. Há decisão do STJ que relativizou também, pois em regra o prazo decadencial não se prorroga.

    Vejamos:

    PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. ART. 18 DA LEI 1.533/51.
    PRAZO DECADENCIAL DE 120 DIAS. CONTAGEM.
    1. A jurisprudência do STJ orienta-se no sentido de que o termo inicial para a impetração do Mandado de Segurança é a data da ciência do ato, mas a contagem só tem início no primeiro dia útil seguinte e, caso o termo final recaia em feriado forense ou dia não útil (sábado ou domingo), prorroga-se automaticamente o término do prazo para o primeiro dia útil que se seguir. Precedentes do STJ e do STF.
    2. O acórdão recorrido está em sintonia com o entendimento do STJ, razão pela qual não merece prosperar a irresignação. Incide, in casu, o princípio estabelecido na Súmula 83/STJ.
    3. Agravo Regimental não provido.
    (AgRg no AREsp 687.431/PA, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 18/06/2015, DJe 05/08/2015)

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.

NÃO DEIXE DE LER!