Quem passa por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO.

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI.

PARTICIPEM DO NOSSO FÓRUM DE DISCUSSÕES.

LEIAM NOSSO "MANUAL DO CONCURSEIRO"

TEORIA UNIFICADORA DIALÉTICA DA PENA. Já ouviu falar?

Oi gente, bom dia. Tudo bem com vocês? 

Hoje é dia de dica da Lenize, e o tema é: TEORIA UNIFICADORA DIALÉTICA DA PENA. Já ouviu falar? Imagina isso na sua prova? Você aluno do site vai saber :) 

Pois bem, vamos ao tema, com resposta extraída do livro do professor Bitencourt: 
Nas palavras de Cezar Roberto Bitencourt, no âmbito da teoria unificadora dialética, “Roxin defende que o fim da pena somente pode ser de tipo preventivo, no sentido de que a pena somente pode perseguir o fim de prevenir delitos, pois dessa forma se lograria alcançar a proteção da liberdade individual e do sistema social que justificam as normas penais. Nessa linha de entendimento, manifesta, ademais, que tanto a prevenção especial, como a prevenção geral devem figurar como fins da pena. A pena declarada numa sentença condenatória deverá ser adequada para alcançar ambas as finalidades preventivas. E deverá fazê-lo da melhor forma possível, isto é, equilibrando ditas finalidades. Assim, de um lado, a pena deverá atender ao fim de ressocialização quando seja possível estabelecer uma cooperação com o condenado, não sendo admitida uma reeducação ou ressocialização forçada. Aqui Roxin manifesta sua adesão à prevenção especial positiva e sua rejeição às medidas de prevenção especial negativa. 
De outro lado, a pena deverá projetar seus efeitos sobre a sociedade, pois com a imposição de penas se demonstra a eficácia das normas penais motivando os cidadãos a não infringi-las. A pena teria, sob essa ótica, mais que um fim intimidatório, o fim de reforçar a confiança da sociedade no funcionamento do ordenamento jurídico através do cumprimento das normas, o que produziria, finalmente, como efeito, a pacificação social. 

Dessa forma, Roxin manifesta sua adesão a uma compreensão mais moderna da prevenção geral, combinando aspectos da prevenção geral negativa e aspectos da prevenção geral positiva. Nos casos de conflitos entre ambas as finalidades, isto é, nos casos em que estas indicam diferentes quantidades de pena, Roxin defende que deve prevalecer a finalidade preventivo-especial, de ressocialização, como garantia individual indicativa da redução da quantidade de pena, frente às finalidades preventivo-gerais, que normalmente conduzem a um aumento da pena. Entretanto, matiza que a primazia do fim preventivo especial somente pode ser atendida até certo ponto, pois a pena não pode ser reduzida a ponto de tornar a sanção ínfima e inútil para o restabelecimento da confiança da sociedade no ordenamento jurídico. (...) 
Além disso, Roxin renuncia à ideia de retribuição, seja como fim legitimável de pena, seja como seu fundamento ou essência. (...) Com essa renúncia a toda retribuição, o princípio da culpabilidade passa a ocuparfunção secundária – não fundamentadora – na teoria unificadora dialética de Roxin. Isto é, o princípio de culpabilidade deixa de estar vinculado à ideia de retribuição da culpabilidade, e passa a exercer tão só o papel de limite máximo da pena aplicada ao caso concreto (...) O próprio Roxin resume sua teoria nos seguintes termos: ‘a pena serve aos fins de prevenção especial e geral. Limita-se em sua magnitude pela medida da culpabilidade, mas pode ser fixada abaixo deste limite quando seja necessário por exigências preventivo-especiais, e a isso não oponham as exigências mínimas preventivo-gerais.” 
Finaliza Bitencourt, dizendo “As consequências alcançadas por Roxin são, em grande medida, adequadas no momento de individualização da pena; contudo, é criticável o esvaziamento que sua postura produz no conteúdo material da culpabilidade, relativizando a importância desta na determinação da medida da pena; (...) se somente uma pena justa, adequada à culpabilidade, permite cumprir com a finalidade preventivo-geral, o que autoriza deduzir tanto a necessidade como a possibilidade de prevenção é a culpabilidade enquanto fundamento de pena.”

Gostaram do tema? Tema típico de prova de carreiras estatuais então atenção redobrada aí pessoal de MPE/DPE/MAGIS ESTADUAL 

Lenize, em 11/10/2018
Siga no Instagram @lenizelunardi

5 comentários:

  1. Bom dia! Lenize, gosto muito das suas postagens, são temas sempre inovadores, mas a título de crítica construtiva, acredito que você destrinchando mais o conteúdo, acrescentando comentários seus ao texto, a leitura e a compreensão ficaram mais fáceis e leves. Como fica muito cópia e cola da fonte a leitura fica densa, precisando ler mais de 2x para apreender o sentido e as ideias do assunto. De qualquer forma, obrigada por partilhar o seu conhecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre acho isso. Muito dificeis de entender e as vezes sem pé e nem cabeça.
      Da pra explicar mais facil essa teoria. kkkk...
      Esses Roxin da vida cheiravam muito pó e vinham com essas teorias....
      Nós temos que entender o que os loucos escrevem, na linguagem deles. kkkk

      Excluir
  2. Obrigado por esses temas! É sempre bom relembrar e aprender.

    ResponderExcluir
  3. Clareza, objetividade e altíssimo nível. Mantendo a qualidade habitual, obrigado!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.

NÃO DEIXE DE LER!