Quem passa por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO.

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI.

PARTICIPEM DO NOSSO FÓRUM DE DISCUSSÕES.

LEIAM NOSSO "MANUAL DO CONCURSEIRO"

PRINCÍPIO DA IMUTABILIDADE DO NOME

Fala pessoal! Como vocÊs estão? Tudo em paz?
Pessoal, a postagem de hoje é bem rápida e traz uma questão que formulamos na Turma de Simulados para o concurso da DPU, do Curso Clique Juris. Vamos direto ao ponto.


Marco Antonio da Silva Dominus, brasileiro, filho de italianos, adquire dupla nacionalidade italiana. Na Itália seus documentos constam o sobrenome do pai, conforme lei daquele país, se chamando Marco Antonio Calígula Dominus, enquanto que no Brasil seu registro consta como Marco Antonio da Silva Dominus.


Considerando a situação hipotética, é correto afirmar que Marco Antonio não poderá retificar seu nome no registro civil brasileiro com o fim de adequar seu sobrenome conforme registros italianos, uma vez que seu nome no registro brasileiro se encontra de acordo com a legislação pátria, constando sobrenome materno e paterno.

A assertiva está ERRADA 

Caros alunos, o caso hipotético traz situação que foi julgado recentemente pelo STJ e vocês, como Defensores Públicos, poderão se deparar com uma situação parecida no dia-a-dia. E se um assistido, descendente de italianos, após adquirir dupla nacionalidade, desejar alterar seu registro civil para constar igual ao seu nome na Itália, já que adquiriu dupla nacionalidade?

Segundo o STJ, o brasileiro que adquire dupla nacionalidade pode sim alterar seu registro civil! Vejam o INFO 588 do STJ:

“O brasileiro que adquiriu dupla cidadania pode ter seu nome retificado no registro civil do Brasil, desde que isso não cause prejuízo a terceiros, quando vier a sofrer transtornos no exercício da cidadania por força da apresentação de documentos estrangeiros com sobrenome imposto por lei estrangeira e diferente do que consta em seus documentos brasileiros. STJ. 3ª Turma. REsp 1.310.088-MG, Rel. Min. João Otávio de Noronha, Rel. para acórdão Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 17/5/2016 (Info 588).”

Atenção para a Jurisprudência do STJ! Praticamente todos os informativos temos casos interessantes que podem ser cobrados em Direito Civil!
Sobre a alteração do nome, o STJ tem flexibilizado os artigos 56 e 57 da LRP (Lei 6015/73).
Alguns exemplos de situações em que se admitiu a modificação de nome:
a) inclusão do patronímico de companheiro (REsp 1206656/GO,);
b) acréscimo do patronímico materno (REsp 1256074/MG);
c) substituição do patronímico do pai pelo do padrasto (Ag 989812/SP);
d) inclusão do patronímico do padrasto (REsp 538187/RJ);
e) alteração da ordem dos apelidos de família (REsp 1323677/MA);
f) inclusão do nome de solteira da genitora, adotado após o divórcio (REsp 1041751/DF).

Destaca-se que o STJ entende cabível retificação do nome para obtenção de nacionalidade. Com maior razão podemos conceber a retificação do nome quando o brasileiro já obteve a dupla nacionalidade.

Era esse o papo de hoje.
Grande abraço a todos, vamos em frente e contem comigo.
Marco Dominoni
No Insta: @domino.marco

1 comentários:

  1. É tanta "exceção" que seria mais viável falar em princípio da mutabilidade do nome.

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.

NÃO DEIXE DE LER!