Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

LEI COMPLEMENTAR 73- PARTE 2 (A MAIS IMPORTANTE)

Bom dia concurseiros. 
Sábado também é dia de estudar nessa RETA FINAL. Estudem hoje para descansarem depois. Vale a pena mesmo. 

Vamos dar continuidade a Leitura da LC 73. Hoje vamos ler a parte mais importante da Lei, logo, atenção redobrada. Lembrem-se que a carreira de assistente jurídico foi extinta. Já a PGF e a PGBC são carreiras vinculadas. 

Vamos lá:


TÍTULO III
Dos Membros Efetivos da Advocacia-Geral da União
CAPÍTULO I
Das Carreiras
        Art. 20. As carreiras de Advogado da União, de Procurador da Fazenda Nacional e de Assistente Jurídico compõem-se dos seguintes cargos efetivos:
        I - carreira de Advogado da União:
        a) Advogado da União da 2a. Categoria (inicial);
        b) Advogado da União de 1a. Categoria (intermediária);
        c) Advogado da União de Categoria Especial (final);
        II - carreira de Procurador da Fazenda Nacional:
        a) Procurador da Fazenda Nacional de 2a. Categoria (inicial);
        b) Procurador da Fazenda Nacional de 1a. Categoria (intermediária);
        c) Procurador da Fazenda Nacional de Categoria Especial (final);
        III - carreira de Assistente Jurídico: carreira extinta
        a) Assistente Jurídico de 2a. Categoria (inicial);
        b) Assistente Jurídico de 1a. Categoria (intermediária);
        c) Assistente Jurídico de Categoria Especial (final).

        Art. 21. O ingresso nas carreiras da Advocacia-Geral da União ocorre nas categorias iniciais, mediante nomeação, em caráter efetivo, de candidatos habilitados em concursos públicos, de provas e títulos, obedecida a ordem de classificação.
        § 1º - Os concursos públicos devem ser realizados na hipótese em que o número de vagas da carreira exceda a dez por cento dos respectivos cargos, ou, com menor número, observado o interesse da Administração e a critério do Advogado-Geral da União.
        § 2º O candidato, no momento da inscrição, há de comprovar um mínimo de dois anos de prática forense.
        § 3º Considera-se título, para o fim previsto neste artigo, além de outros regularmente admitidos em direito, o exercício profissional de consultoria, assessoria e diretoria, bem como o desempenho de cargo, emprego ou função de nível superior, com atividades eminentemente jurídicas.
        § 4º A Ordem dos Advogados do Brasil é representada na banca examinadora dos concursos de ingresso nas carreiras da Advocacia-Geral da União.
        § 5º Nos dez dias seguintes à nomeação, o Conselho Superior da Advocacia-Geral da União deve convocar os nomeados para escolha de vagas, fixando-lhes prazo improrrogável.
        § 6º Perde o direito à escolha de vaga o nomeado que não atender à convocação a que se refere o parágrafo anterior.
        Art. 22. Os dois primeiros anos de exercício em cargo inicial das carreiras da Advocacia-Geral da União correspondem a estágio confirmatório.
        Parágrafo único. São requisitos da confirmação no cargo a observância dos respectivos deveres, proibições e impedimentos, a eficiência, a disciplina e a assiduidade.
CAPÍTULO II
Da Lotação e da Distribuição
        Art. 23. Os membros efetivos da Advocacia-Geral da União são lotados e distribuídos pelo Advogado-Geral da União.
        Parágrafo único. A lotação de Assistente Jurídico nos Ministérios, na Secretaria-Geral e nas demais Secretarias da Presidência da República e no Estado-Maior das Forças Armadas é proposta por seus titulares, e a lotação e distribuição de Procuradores da Fazenda Nacional, pelo respectivo titular.
CAPÍTULO III
Da Promoção
        Art. 24. A promoção de membro efetivo da Advocacia-Geral da União consiste em seu acesso à categoria imediatamente superior àquela em que se encontra.
        Parágrafo único. As promoções serão processadas semestralmente pelo Conselho Superior da Advocacia-Geral da União, para vagas ocorridas até 30 de junho e até 31 de dezembro de cada ano, obedecidos, alternadamente, os critérios de antigüidade e merecimento.
        Art. 25. A promoção por merecimento deve obedecer a critérios objetivos, fixados pelo Conselho Superior da Advocacia-Geral da União, dentre os quais a presteza e a segurança no desempenho da função, bem como a freqüência e o aproveitamento em cursos de aperfeiçoamento reconhecidos por órgãos oficiais.
        Parágrafo único.  (VETADO)
CAPÍTULO IV
Dos Direitos, dos Deveres, das Proibições, dos Impedimentos e das Correições
SEÇÃO I
Dos Direitos
        Art. 26. Os membros efetivos da Advocacia-Geral da União têm os direitos assegurados pela Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; e nesta lei complementar.
        Parágrafo único. Os cargos das carreiras da Advocacia-Geral da União têm o vencimento e remuneração estabelecidos em lei própria.
SEÇÃO II
Dos Deveres, das Proibições e dos Impedimentos
        Art. 27. Os membros efetivos da Advocacia-Geral da União têm os deveres previstos na Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, sujeitando-se ainda às proibições e impedimentos estabelecidos nesta lei complementar.
        Art. 28. Além das proibições decorrentes do exercício de cargo público, aos membros efetivos da Advocacia-Geral da União é vedado:
        I - exercer advocacia fora das atribuições institucionais;
        II - contrariar súmula, parecer normativo ou orientação técnica adotada pelo Advogado-Geral da União;
        III - manifestar-se, por qualquer meio de divulgação, sobre assunto pertinente às suas funções, salvo ordem, ou autorização expressa do Advogado-Geral da União.
        Art. 29. É defeso aos membros efetivos da Advocacia-Geral da União exercer suas funções em processo judicial ou administrativo:
        I - em que sejam parte;
        II - em que hajam atuado como advogado de qualquer das partes;
        III - em que seja interessado parente consangüíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o segundo grau, bem como cônjuge ou companheiro;
        IV - nas hipóteses da legislação processual.
        Art. 30. Os membros efetivos da Advocacia-Geral da União devem dar-se por impedidos:
        I - quando hajam proferido parecer favorável à pretensão deduzida em juízo pela parte adversa;
        II - nas hipóteses da legislação processual.
        Parágrafo único. Nas situações previstas neste artigo, cumpre seja dada ciência, ao superior hierárquico imediato, em expediente reservado, dos motivos do impedimento, objetivando a designação de substituto.
        Art. 31. Os membros efetivos da Advocacia-Geral da União não podem participar de comissão ou banca de concurso, intervir no seu julgamento e votar sobre organização de lista para promoção ou remoção, quando concorrer parente consangüíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o segundo grau, bem como cônjuge ou companheiro.
SEÇÃO III
Das Correições
        Art. 32. A atividade funcional dos membros efetivos da Advocacia-Geral da União está sujeita a:
        I - correição ordinária, realizada anualmente pelo Corregedor-Geral e respectivos auxiliares;
        II - correição extraordinária, também realizada pelo Corregedor-Geral e por seus auxiliares, de ofício ou por determinação do Advogado-Geral da União.
        Art. 33. Concluída a correição, o Corregedor-Geral deve apresentar ao Advogado-Geral da União relatório, propondo-lhe as medidas e providências a seu juízo cabíveis.
        Art. 34. Qualquer pessoa pode representar ao Corregedor-Geral da Advocacia da União contra abuso, erro grosseiro, omissão ou qualquer outra irregularidade funcional dos membros da Advocacia-Geral da União.
TÍTULO IV
Das Citações, das Intimações e das Notificações
        Art. 35. A União é citada nas causas em que seja interessada, na condição de autora, ré, assistente, oponente, recorrente ou recorrida, na pessoa:
        I - do Advogado-Geral da União, privativamente, nas hipóteses de competência do Supremo Tribunal Federal;
        II - do Procurador-Geral da União, nas hipóteses de competência dos tribunais superiores;
        III - do Procurador-Regional da União, nas hipóteses de competência dos demais tribunais;
        IV - do Procurador-Chefe ou do Procurador-Seccional da União, nas hipóteses de competência dos juízos de primeiro grau.
        Art. 36. Nas causas de que trata o art. 12, a União será citada na pessoa:
        I - (Vetado);
        II - do Procurador-Regional da Fazenda Nacional, nas hipóteses de competência dos demais tribunais;
        III - do Procurador-Chefe ou do Procurador-Seccional da Fazenda Nacional nas hipóteses de competência dos juízos de primeiro grau.
        Art. 37. Em caso de ausência das autoridades referidas nos arts. 35 e 36, a citação se dará na pessoa do substituto eventual.
        Art. 38. As intimações e notificações são feitas nas pessoas do Advogado da União ou do Procurador da Fazenda Nacional que oficie nos respectivos autos.
TÍTULO V
Dos Pareceres e da Súmula da Advocacia-Geral da União
        Art. 39. É privativo do Presidente da República submeter assuntos ao exame do Advogado-Geral da União, inclusive para seu parecer.
        Art. 40. Os pareceres do Advogado-Geral da União são por este submetidos à aprovação do Presidente da República.
        § 1º O parecer aprovado e publicado juntamente com o despacho presidencial vincula a Administração Federal, cujos órgãos e entidades ficam obrigados a lhe dar fiel cumprimento.
        § 2º O parecer aprovado, mas não publicado, obriga apenas as repartições interessadas, a partir do momento em que dele tenham ciência.
        Art. 41. Consideram-se, igualmente, pareceres do Advogado-Geral da União, para os efeitos do artigo anterior, aqueles que, emitidos pela Consultoria-Geral da União, sejam por ele aprovados e submetidos ao Presidente da República.
        Art. 42. Os pareceres das Consultorias Jurídicas, aprovados pelo Ministro de Estado, pelo Secretário-Geral e pelos titulares das demais Secretarias da Presidência da República ou pelo Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, obrigam, também, os respectivos órgãos autônomos e entidades vinculadas.
        Art. 43. A Súmula da Advocacia-Geral da União tem caráter obrigatório quanto a todos os órgãos jurídicos enumerados nos arts. 2º e 17 desta lei complementar.     (Vide Lei 9.469, 10/07/97)
        § 1º O enunciado da Súmula editado pelo Advogado-Geral da União há de ser publicado no Diário Oficial da União, por três dias consecutivos.
        § 2º No início de cada ano, os enunciados existentes devem ser consolidados e publicados no Diário Oficial da União.
        Art. 44. Os pareceres aprovados do Advogado-Geral da União inserem-se em coletânea denominada "Pareceres da Advocacia-Geral da União", a ser editada pela Imprensa Nacional.

Bom sábado a todos. 

Eduardo

0 comentários:

Postar um comentário

Sua interação é fundamental para nós!