Quem passa por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO.

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI.

PARTICIPEM DO NOSSO FÓRUM DE DISCUSSÕES.

LEIAM NOSSO "MANUAL DO CONCURSEIRO"

OPORTUNIDADE ÚNICA - PRIMEIRO CURSO DE 2020

CURSO PRESENCIAL (WORKSHOP) - PASSO A PASSO DA APROVAÇÃO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

Olá meus amigos,  Faremos um WORKSHOP  em CURITIBA , dia 25/01/2020 , com o tema PASSO A PASSO para a aprovação em concursos do MINIST...

CAMINHO ATÉ A PROVA ORAL - RELATO DE APROVADO RAMON DE SOUSA NUNES - PARTE UM

OI amigos, bom dia. 

Hoje começamos uma sério de textos que vão contar a história e as dicas do RAMON DE SOUSA NUNES até a prova oral e aprovação. 

Postaremos em partes, um texto por semana. 

Vamos ao primeiro texto agora: 


1.0 Um breve relato da minha trajetória concurseira até aqui
Eu não sei dizer se a minha história de concurso é interessante, mas apenas que foi e é difícil  e que me sentiria muito feliz de saber que o meu relato de alguma forma motivou ou ajudou alguém.
Saibam que, independente de qualquer coisa, concurso é algo difícil, mas possível. Todos podem conseguir. Basta dedicação e esforço. Parece clichê, porém não resta outra saída, além de trabalhar.
Não esperem precisão nas datas, sou horrível com isso. 

De qualquer forma, posso afirmar com segurança que tudo aconteceu entre outubro de 2014 e os dias atuais.
Pois bem.
Desde que sai da universidade,  no início de 2013, sempre tive um concurso em mente, o da Advocacia-Geral da União (AGU), por alguns fatores bem simples:
 1) é um concurso muito bom em termos de carreira e remuneração;
 2) aceita a prática jurídica antes da formatura;
e 3) o conteúdo tem relação com outros possíveis concursos, como Tribunais Regionais Federais (TRF) e Ministério Público Federal (MPF), e de advocacia pública em geral, como procuradorias estaduais e municipais.
Dito isso. De fato, comecei a estudar para concurso no final de 2014. Cabe dizer que eu iniciei já em um programa de coaching, o qual atualmente não tenho mais contato, mas que ajudou nos primeiros passos.
E é, nessa situação, que vejo a maior utilidade de qualquer acompanhamento/coaching: organizar os estudos de quem ainda não possui know-how de concursos. 
Isso pode gerar uma grande economia de tempo e um enorme incentivo aos estudos.
Comecei então firme a seguir aquele planejamento, com a ideia de que se o cumprisse em cada detalhe, conseguiria alcançar o meu sonho até ali: tornar-me advogado da união.
Não me restringi, entretanto, a esse concurso, de modo que aproveitei para fazer todas as provas que tinha alguma relação com o conteúdo da AGU, como procuradorias estaduais e municipais, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), Defensoria Pública da União  (DPU) e MPF.
Desta feita, após alguns meses de muita luta (cerca de 5 meses), já em 2015, logrei a minha primeira aprovação: passei no concurso da Procuradora-Geral do Estado do Paraná.
Foi um momento de muita felicidade, no qual eu percebi que tudo estava funcionando  e que senti que as coisas iriam e poderiam dar certo.
Não obstante, nesse primeiro momento, nem tudo foi perfeito, pois eu não passei dentro das vagas e cai demais nos títulos.
Assim, acabei ficando em 74º colocação. Embora ainda possuísse ali alguma expectativa de nomeação, eu sabia que isso não ocorreria em breve.
Desse modo, mantive o estudo firme, pois imaginava que as provas da PFN e AGU logo chegariam, o que realmente não demorou muito.
Entre isso, saiu também o concurso da Procuradoria-Geral do Município de Salvador (PGM-Salvador), o qual, por ser a banca CESPE e ter matérias vizinhas da AGU, resolvi também fazer.
Inesperadamente, pois eu não fiz qualquer preparação mais específica, também eu consegui passar na PGM-Salvador!
Fiquei muito feliz em ter conseguido a sexta colocação (antes dos títulos), o que me poria dentro das vagas. Já sentia até uma certa segurança de já ter algo mais ou menos garantido.
Porém, de novo, eu sofri nos títulos e cai 12 colocações (terminei em 17º)! Novamente, aquela história: poderia até ser que eu fosse nomeado, mas certamente levaria um tempo.
Pois bem. Então, restava AGU e PGFN.
A AGU, em especial, foi a prova mais sofrida do mundo. Foram duas fases subjetivas, eis que a primeira foi anulada em razão de queda de energia em um dos locais de prova.
E depois ainda tivemos uma oral bem em cima do resultado da segunda fase. A preparação para cada uma dessas fases foi intensa e complicada.
Eu sempre tive uma certa timidez, então a preparação para oral da PFN e AGU envolveu trabalhar muito esse componente (essa fase será melhor abordada mais a frente).
E enfim, após quase 2 anos de muito estudo, o que eu já queria  desde muito tempo, isto é, desde o ano de 2013 (3 anos atrás!), aconteceu. Eu consegui passar em todas as fases da AGU e da PGFN.
E agora, a melhor coisa: passei dentro das vagas na AGU, tendo tomado posse em janeiro de 2017.
Resta mencionar ainda que mais recentemente também fui aprovado na prova oral da Procuradoria-Geral do Município de São Luís (PGM-SLZ) e na Procuradoria-Geral do Estado do Maranhão (PGE-MA).

1.1 Nem só de vitórias.
Pode parecer que tudo na minha história até aqui foi lindo e tranquilo, só que não. Eu já tive reprovações e cada uma delas foi traumática e elucidativa do seu jeito. Ou seja: foi uma aprendizagem também. Vejamos:
1) No MPF, eu não tinha domínio de internacional, penal e processo penal, logo não obtive os mínimos na objetiva;
2) Na DPU, eu ainda estava muito cru e também não consegui passar na objetiva;
3) Na Procuradoria-Geral do Estado do Pará, era uma prova bem diferente, na qual, dava-se um caso concreto e o candidato deveria tratar de todas as peças possíveis daquele caso. Eu olvidei uma e, assim, minha prova não foi sequer corrigida;
4) Na Procuradoria-Geral  do Município de Curitiba, eu deixei de fazer a prova dissertativa de segunda fase para fazer a objetiva da Defensoria Pública do Estado do Maranhão (isto é, do meu Estado), a qual acabei não obtendo êxito.



Por hoje é isso gente. 

Quero que extraiam do texto: 
1- Quanto antes começar, antes vão passar. 
2- A importância de focar em uma área. Vejam que Ramon focou em Procuradorias, e deu certo. 
3- A importância de fazer provas, mesmo sem se achar preparado. Treine. Coloque-se em teste. 
4- Que reprovar é normal e te faz crescer. Faz parte do caminho até a aprovação. 

Semana que vem teremos outro texto onde o Ramon vai falar para vocês sobre O estudo durante as fases dos concursos.

Eduardo, em 20/09/2019
No instagram @eduardorgoncalves

1 comentários:

  1. Excelente! Obrigado por compartilhar sua jornada. Se possível, na próxima postagem comente sobre esse "know-how de concursos" que o coach te deu. Acho que pode ajudar muitos aqui. Outra coisa que eu gostaria de saber é como vc fez para estudar matérias que vc não teve na faculdade ou teve de forma insuficiente para concursos. Você pegou lei seca mesmo ou leu doutrina, assistiu a um curso regular, módulo, algo do tipo?
    Abraços!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.

NÃO DEIXE DE LER!