DICAS PONTUAIS PARA SUA APROVAÇÃO

29 CONCURSO DO MPF ANULADO

Olá meus amigos, bom dia. 

Foi publicada, ontem, decisão judicial da 14 Vara Federal de Brasilia declarando a nulidade do 29 CPR e determinando o seguinte: 
Ante o exposto, adentrando ao mérito da presente demanda, acolho parcialmente o pleito do MPF, deferindo o pedido subsidiário formulado às fls. 224 para:
a) anular o 29o Concurso Público para Procurador da República, por inobservância ao disposto no art. 1o, § 3o, da Lei no 12.990/2014, que determina a reserva de 20% das vagas aos candidatos negros e, por consequência, tornar sem efeito todos os demais atos subsequentes daquele certame, reabrindo-se novo prazo para inscrições, que atendam às cotas previstas na Lei no 12.990/2014;
b) determinar que, durante a vigência da Lei no 12.990/2014, a União inclua em todos os seus editais de concursos públicos para o cargo de Procurador da República a previsão legal de reserva de 20% (vinte por cento) das vagas para os (as) candidatos (as) negros (as).

Trata-se da sentença da ação anterior que havia suspendido o concurso. 

E o que muda com essa decisão? 
1- O agravo interposto pela AGU perdeu o objeto mesmo antes de ser julgado. 

2- A Administração, se assim o desejar, poderá apelar, mas essa apelação não tem efeito suspensivo automático. 
Assim, mais uma vez, o concurso só volta a correr se houver uma decisão do relator no Tribunal que conceder efeito suspensivo a apelação (se é que essa vai ser interposta). 
De qualquer modo, o prazo de apelo é de 30 dias úteis, de forma que certamente a União irá apelar aguardando a decisão (modulação de efeitos) na ADPF ajuizada pela OAB que questiona a política de cotas em concursos. 

E se a decisão judicial for mantida, ou seja, se confirmar a anulação do 29 CPR? R= Nesse caso, diante do cenário atual do país, não temos perspectivas de quando teremos nova prova, e nem se o concurso será refeito esse ano. Consoante circula (e aqui trago notícias informais, que não são oficiais da PGR) talvez o edital não seja reaberto nesse ano de 2017.

E quais são as chances de reversão da decisão? R= Sinceramente, pouquíssimas. Hoje não mais consigo ver uma solução consensual (acordo para abertura de autodeclaração posterior), de forma que a única solução, a meu ver, é o STF modular os efeitos na ADPF. Em não havendo modulação (que é possível, já que ADPF pressupõe a existência de uma controvérsia judicial), o concurso será sim anulado.

E o gabarito da prova já realizada? R= a Administração, ao que tudo indica, não o divulgará (o que a meu ver faz com acerto, já que o Judiciário anulou o concurso, com efeitos, obviamente, ex tunc). 

Por fim, a meu ver, só teremos definição do que ocorrerá com a decisão do STF, antes disso tudo é especulação. 

Eis as novas informações. 

Desejo sorte a todos que estão nessa situação absolutamente desconfortável de esperar. 

Eduardo, em 19/05/2017
No instagram: @eduardorgoncalves

5 comentários:

  1. Nada é por acaso, minha gente! Avante!

    ResponderExcluir
  2. Professor, espero que você erre novamente e que o tribunal derrube esta sentença absurda e desproporcional proferida pelo juízo da 14ª vara federal de Brasília.

    ResponderExcluir
  3. Não há um mal que não traga um bem! Ontem eu retornei aos estudos pensando no 30, hoje sai est notícia!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!