Quem passa por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO.

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI.

PARTICIPEM DO NOSSO FÓRUM DE DISCUSSÕES.

LEIAM NOSSO "MANUAL DO CONCURSEIRO"

OPORTUNIDADE ÚNICA - ÚLTIMO CURSO DE 2019

CURSO PRESENCIAL (WORKSHOP) - PASSO A PASSO DA APROVAÇÃO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

Olá meus amigos,  Faremos um WORKSHOP  em SÃO PAULO , dia 30/11/2019 , com o tema PASSO A PASSO para a aprovação em concursos do MINIS...

TESES DO STJ SOBRE RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL - PARTE 01 DE 02

Olá amigos, hoje inicio uma série bem legal que é comentar algumas teses do STJ sobre responsabilidade civil por dano ambiental. 

Como os entendimentos são consolidados, eles tendem a cair muito em provas, oK?

Serão 11 teses a serem comentadas em 2 postagens distintas. 

Vamos às seis primeiras: 
1) A responsabilidade por dano ambiental é objetiva, informada pela teoria do risco integral, sendo o nexo de causalidade o fator aglutinante que permite que o risco se integre na unidade do ato, sendo descabida a invocação, pela empresa responsável pelo dano ambiental, de excludentes de responsabilidade civil para afastar sua obrigação de indenizar. (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/1973 - TEMA 681 e 707, letra a)
Queridos, aprendam de uma vez por todas: a responsabilidade civil ambiental é objetiva, e se funda no risco integral, logo não admite excludente. O risco é inerente à atividade, de forma que mesmo que o empreendedor não tenha culpa deverá ele responder pelo dano ambiental causado por sua atividade. 
Responsabilidade objetiva- não se discute culpa. 
Risco integral- não admite excludentes. 

2) Causa inequívoco dano ecológico quem desmata, ocupa, explora ou impede a regeneração de Área de Preservação Permanente - APP, fazendo emergir a obrigação propter rem de restaurar plenamente e de indenizar o meio ambiente degradado e terceiros afetados, sob o regime de responsabilidade civil objetiva.
Além de objetiva e fundada no risco integral, a responsabilidade ambiental é propter rem, ou seja, adere a coisa em si. Expliquei muito bem o tema aqui: http://www.eduardorgoncalves.com.br/2018/11/responsabilidade-ambiental-propter-rem.html
Além disso, o desmatamento gera dano ambienta presumido, impondo a quem está na posse do bem (mesmo que não seja o causador do dano) o dever de reparar. A responsabilidade será solidária entre causador do dano e atual proprietário/possuidor da área. 

3) O reconhecimento da responsabilidade objetiva por dano ambiental não dispensa a demonstração do nexo de causalidade entre a conduta e o resultado.
A responsabilidade ambiental é objetiva, mas isso não dispensa a existência de nexo causal entre conduta X dano ou atividade/risco da atividade X dano. 
Assim, o empreendedor deve ser o causador do dano ou sua atividade, pelo risco que gera, causou o dano. Ex: rompimento de uma barragem em virtude de um forte terremoto. Nesse caso há um caso fortuito, mas a atividade/ o risco da atividade causou o dano, logo há responsabilidade ambiental.

4) A alegação de culpa exclusiva de terceiro pelo acidente em causa, como excludente de responsabilidade, deve ser afastada, ante a incidência da teoria do risco integral e da responsabilidade objetiva ínsita ao dano ambiental (art. 225, §3º, da CF e art. 14, §1º, da Lei n. 6.938/1981), responsabilizando o degradador em decorrência do princípio do poluidor-pagador. (Tese julgada sob o rito do art. 543-C do CPC/1973 - TEMA 438)
Como dito acima, a responsabilidade civil ambiental é fundada no risco integral, sendo a culpa de terceiro irrelevante quando o risco da atividade causou o dano, quando o dano decorre de um risco normal ou anormal da própria atividade desenvolvida. 

5) É imprescritível a pretensão reparatória de danos ao meio ambiente.
O dever de reparar o dano ambiental é imprescritível. Nesse sentido: 4. É possível impor ao proprietário-possuidor a obrigação de recompor a cobertura florestal da área de reserva legal de sua propriedade independentemente de ter sido o autor da degradação ambiental. Isso porque as obrigações associadas às Áreas de Preservação Permanente e à Reserva Legal têm caráter propter rem e, conquanto não se possa conferir ao direito fundamental do meio ambiente equilibrado a característica de direito absoluto, ele se insere entre os direitos indisponíveis, devendo-se acentuar a imprescritibilidade de sua reparação e a sua inalienabilidade, já que se trata de bem de uso comum do povo.
E ainda:
2. O aresto impugnado perfilha o mesmo entendimento desta Corte, o qual considera que as infrações ao meio ambiente são de caráter continuado e que as ações de pretensão de cessação de danos ambientais é imprescritível.
Essa tese tem aplicação especial em danos permanentes, já que a permanência não legitima o dano, que continuará devendo ser reparado. 
Além disso, não se aplica a teoria do fato consumado em temática ambiental. 

6) O termo inicial da incidência dos juros moratórios é a data do evento danoso nas hipóteses de reparação de danos morais e materiais decorrentes de acidente ambiental.
A tese é objetiva: juros e correção monetária incidem desde o evento dano em temática ambiental. Segue-se a regra da responsabilidade civil extracontratual. 

Certo amigos? 
06 teses comentadas. Em breve trago as outras 05, ok! 

Eduardo, em 26/12/2019
No instagram @eduardorgoncalves 


7 comentários:

  1. Quanto ao item 3, sobre o nexo de causalidade, tenho uma dúvida. Mesmo no caso de responsabilidade por sucessão, esta seria o nexo causal apto a legitimar a sua responsabilidade ou nesse caso a sua legitimidade decorre da transmissão da responsabilidade do possuidor/proprietário/etc anterior?

    ResponderExcluir
  2. Segundo alguns gabaritos de concurso, ni caso do adquirente (sucessor) de imóvel com passivo ambiental a responsabilidade civil pela reparação do dano dispensa análise do nexo causal. O adquirente, nesse caso, não é considerado causador direto do dano ambiental, já ocorrido no momento da aquisição do imóvel. Porém, responde da mesma maneira pela reparação, por força de imposição legal, que prevê a obrigação de reparação como propter rem. De todo modo, há doutrina contrária, afirmando que há nexo na sucessão, denominado "nexo de não impedimento" e que se caracterizaria a partir do momento em que o adquirente, investido do poder de uso e gozo sobre o imóvel, omitisse a reparação da passivo ambiental. É o mesmo argumento que parte da doutrina penalista utiliza para defender a existência de nexo causal em crimes omissivos próprios. Mas observo: no gabarito de prova que li, afirmou-se ser caso de responsabilidade SEM nexo.

    ResponderExcluir
  3. No caso de culpa de terceiro, cabe ação regressiva contra ele, certo?

    ResponderExcluir
  4. Quanto ao item 6, acredito que a correção monetária, para o caso de dano moral, seja devida desde a data do arbitramento (e não desde o evento danoso, conforme afirmado). Apenas no caso de dano material é que a correção monetária incide desde o evento danoso.
    Quanto aos juros moratórios, realmente, tanto na reparação de dano moral quanto na de dano material, o termo inicial da incidência é o evento danoso.

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.

NÃO DEIXE DE LER!