Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO e @MEUORGANIZADO PARA DICAS, SORTEIOS, LIVES, NOTÍCIAS E MUITO MAIS

ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM CLICANDO AQUI

LEDO ENGANO: PRIMEIRO VOU PASSAR PARA ANALISTA PARA DEPOIS PASSAR PARA MEMBRO DA DEFENSORIA, PROCURADORIA, MP, MAGISTRATURA…

Fala pessoal!!! Dominoni aqui com vocês nessa segunda de muito sol aqui no Rio de Janeiro!
Como estão os estudos? 
Queridos, a postagem de hoje responde à dúvida de muita gente. Na verdade não é uma dúvida, mas sim uma constatação que, sob meu ponto de vista, é um equívoco.
Ouço muitas pessoas dizendo: “estou estudando para Analista para depois eu estudar para Membro da Defensoria, Procuradoria, Magistratura, MP…” Falam isso como se fosse mais fácil passar para esses cargos. Ledo engano!!!!
Gente! Com todo respeito a quem pensa diferente, passar para Analistas de Tribunais é MUUUITO DIFÍCIL! MUITOOOOO!!! Com toda humildade do mundo eu falo isso pois já passei em 5 concursos de Analista Judiciário (1 do MP/RJ, 1 do TRE/RJ e 3 do TJ/RJ – Técnico Juramentado (transformado em Analista), cargo que exerci por 3 anos, OJA e Comissário da Infância e Juventude, e para 2 cargos de Membros (DPU e AGU)! Deixa eu explicar o que quero dizer exatamente…
Percebam! Se você olha o nível de dificuldade no “macro”…olhando somente para as fases do certame, por exemplo, você vai ver que os cargos de membros exigem muito mais…sem dúvida! Mas é exatamente aqui reside o erro (falsa noção da realidade) da maioria das pessoas.
Os concursos de Analista exigem o estudo de disciplinas que a maioria dos certames de Membros não exigem: português, informática, raciocínio lógico (olha o grande vilão… "logo eu, que fiz direito para fugir da matemática”… já ouvi isso de muita gente…rsrsrs). Esses obstáculos podem ser intransponíveis! Algumas pessoas não conseguem chegar nos cargos de Analista por conta disso, pessoal! Lembro-me de uma postagem no face de um amigo de concurso da AGU, em que ele dizia que já tinha feito vários concursos para Analista e não passava. Vários! Daí que passou bem para Procurador Federal logo de cara! E o porquê? Por conta das disciplinas que estão fora do “curso natural” dos bacharéis em direito! O cara não passava para Analista e passou rápido para Procurador! E, acreditem, hoje é Juiz Federal! Entenderam a perspectiva?!
Por isso que, logo no início do meu programa de estudos, eu indago aos meus alunos: o que você deseja ser? Qual o cargo que você deseja efetivamente exercer? E foco na preparação para aquele cargo.
É óbvio que ao longo da preparação você pode ser aprovado em um concurso para Analista ou outro cargo de carreira-meio! Mas isso não tem que necessariamente acontecer, beleza? Aprovação em cargo de Analista não é pré-requisito para ser membro! Não se iluda acreditando que você vai passar mais facilmente para Analista! Isso é um erro muito grande, ok? E pode atrasar muito a tua vida!
Tem um cara muito sério que fala sobre os benefícios de ser Analista, e da preparação para esses cargos. Ele se chama Marcelo Sobral. Muito do que penso sobre o assunto coincide com as idéias dele. Vale a pena investir uns minutos do teu dia nas redes sociais dele.
Queridos, esse era o tema de hoje!
Até a próxima!
Boa jornada e contem comigo!!!!
Dominoni
@dominoni.marco (me add no Instagram)
www.marcodominoni.com.br
www.cursocliquejuris.com.br

13 comentários:

  1. Bom dia. Meu nome é Edgar e sou técnico do MPU. Estou Graduando em Direito (quinto semestre) e almejo concursos de carreira. A princípio iniciei os estudos mais especificamente para a carreira de AGU. Infelizmente, em razão do meu cargo, não posso estagiar em outros órgãos da esfera federal (JF, AGU, etc.). Apesar de haver a possibilidade de estagiar no próprio MPF(4 horas semanais), não há previsão de processo seletivo, por motivos de corte de gastos.
    Em resumo, eu gostaria de estagiar os 2 anos que preciso pra comprovar atividade jurídica no concurso pra AGU. O ideal seria estagiar no MPF mesmo, mas não há essa possibilidade por hora. Acha válido tentar estágio na esfera estadual e perder umas horas de estudo do concurso? (já que no mínimo seriam 4 horas diárias - e não semanais como no MPF- de estágio)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edgar, não tenho muita experiência o assunto prática jurídica, mas acho que o seu tempo como técnico, desde que exercendo apoio à atividade fim, vai ser considerado pela AGU. Abs Dominoni

      Excluir
  2. Eu estava analisando exatamente isso! Português eu já estudei no ensino médio-por isso não terei medo de estudar a matéria ou me desanimarei com facilidade por estar estudando um conteúdo "estranho" ao curso de direito. Contudo, Raciocínio Lógico e informática...mds ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leve isso em consideração na hora de escolher o cargo para o qual irá se preparar. Grande abraço! Dominoni

      Excluir
  3. Acho discrepante não cobrarem raciocionio logico e portugues para as carreiras fins. São matérias importantes demais no dia a dia, cujo domínio está associado à capacidade do candidato de entender claramente os problemas, desenvolver uma solução inteligente para eles e expressar da melhor forma essa solução. Não faz sentido, com o nivel de concorrência atual e com o mundo globalizado e interconectado em que vivemos, fazer provas que só falem de Direito, para aqueles que querem atuare cargos cujo exercício afetará milhares de pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Artur! Respeito tua opinião, mas não concordo. Não tenho nenhuma dificuldade com RLM, português e outras disciplinas, mas penso que não faz diferença na atuação do operador do direito. Mesmo as técnicas/regras do português não fazem diferença pois elas são aferíveis nas provas discursivas e orais. Mas respeito tua opinião.
      Abração! Dominoni

      Excluir
  4. Respostas
    1. Vlw, meu camarada! Esse retorno é importante para prosseguirmos. Abs
      Dominoni

      Excluir
  5. Dominoni, a priori, gostaria de parabenizar o site e principalmente elogiar a atenção e disponibilidade ao retornar as indagações nos comentários, isso é muito positivo. Bem, minha pergunta é: a prática de docência no Direito, conta como prática jurídica exigida para AGU? E a inscrição na OAB, é necessária que ela seja antes da abertura do edital, ou será considerada se supostamente for feita após o edital? Dei uma lida no último edital, mas esses pontos não ficaram muito claros para mim. Forte Abraço!!

    ResponderExcluir
  6. Esse artigo me fez refletir bastante, porque atualmente sou escrevente do TJ/SP e estou estudando há quase 2 anos para analista de tribunal. porém, no futuro almejo magistratura estadual, porém, como não tenho os 3 anos de prática jurídica (e o cargo de escrevente é de nível médio), pretendo ser analista, adquirir experiencia e depois ir para a magistratura que é o meu sonho. Você acha que eu estou no caminho certo?

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES, @MEUESQUEMATIZADO E @MEUORGANIZADO. ALÉM DISSO, ENTREM NO NOSSO GRUPO DO TELEGRAM.