Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

DEPOIMENTO DE APROVADO NA PGE-PR E AGU - RAFAEL FORMOLO

Olá pessoal, tudo bem? Hoje vou contar um pouco sobre a minha trajetória no mundo dos concursos e bibliotecas.

Bom, formei final de 2011, e como já tinha passado na OAB durante a faculdade pensei que a vida dos concursos seria mole. Aí é que eu me enganei, são coisas completamente distintas e que não cabe nenhuma comparação sobre essas duas etapas da vida.

Assim, logo em fevereiro de 2012 comecei um cursinho no Damásio para delegado da polícia federal. Pensem em uma pessoa que quando começou o cursinho parecia que os professores estavam falando grego, temas bem aprofundados, jurisprudência... Foi um caos o início. Mas foi nesse cursinho que eu consegui aprender algumas matérias que eu sequer tinha uma leve noção, como penal e processo penal.

Daí, em junho de 2012 o concurso foi suspenso e o “diferentão” aqui foi inventar de estudar para técnico do TCU.

PS: MEU DEUS DO CÉU, ATÉ HOJE EU NÃO SEI O QUE PASSOU PELA MINHA CABEÇA PARA MUDAR TOTALMENTE O FOCO DESSE JEITO.

Mas tudo bem, fui firme, fiz um curso específico para o TCU e posteriormente a prova. Resultado vocês já imaginam né, reprovação e das feias. Foi um dia horrível, pensei que eu não era capaz, que aquela vida dos concursos era só para os gênios... Foi um dia daqueles em que você fica realmente depressivo. No entanto, uma coisa que eu sempre tive comigo, pois fui atleta profissional de basquete (eu podia estar rico, mas estou mais feliz agora kkkkk), é que nós sempre devemos aprender com as derrotas e são nesses momentos que nós crescemos como pessoa.

Logo no dia seguinte decidi que voltaria a estudar para a área jurídica (Lógico né, esse momento insano do TCU foi só um surto), e como eu queria trabalhar logo foquei em concursos de analistas para que depois disso pudesse escolher qual carreira realmente queria.

Ahhhh uma coisa que esqueci, é que durante o período de estudo para delegado e TCU eu achava que somente lendo o caderno e estudando 2 horinhas por dia seria suficiente para atingir o objetivo que queria, no tempo que queria.
OBS: é claro que quem tem somente duas horas de estudo com certeza poderá alcançar a aprovação, mas poderá levar um tempo maior.

Bom, como disse acima foquei em concursos de analista. Estava para sair o TJDFT e o MPU, mas como eu tinha amigos no TJ foquei nele e coloquei todas as minhas esperanças nesse concurso. 

Comecei uma rotina de estudos firme, no entanto, com o método errado (explicarei abaixo).

Rotina diária: Ia para academia 7 horas da manhã, chegava na biblioteca por volta das 8:20 ficava até 11:30 e ia almoçar; voltava por voltava às 13:40 e ficava até 21:30. FOI MUITO PUXADO, MAS FOI NESSA FASE QUE GANHEI RITMO DE ESTUDO.

Como eu estudava para essa fase:

- Dividia meu dia em 3 grandes horários e os preenchia com 3 matérias diferentes. Por exemplo: segunda pela manhã era constitucional, a tarde civil e a noite português. Fazia isso de segunda a sexta.

- Nesse momento comecei a notar também como o estudo dos informativos era necessário, pois, prestei alguns concursos antes do TJDFT e via algumas perguntas que eu nem sabia de onde a banca tinha tirado, daí um amigo meu da biblioteca me apresentou o DIZER O DIREITO, que para mim é uma das coisas mais inovadoras que já foram criadas recentemente no mundo dos concurso.

- Observação sobre o método: quando falei que estudava pelo método errado, me referi a forma que eu estudava, uma vez que eu buscava resumir os livros. Acho que não é a melhor forma, pelos seguintes fundamentos:

a) argumento 1: geralmente quando resumimos demoramos muito para terminar os estudos das matérias;

b) argumento 2: nem sempre o que achamos que é importante o examinador acha que é importante, daí, colocamos no resumo pontos que talvez nem serão cobrados e deixamos somente no livro temas que podem ser importantes. Comigo acontecia o seguinte: quando não estava muito claro meu resumo eu fazia um asterisco naquela parte para que eu voltasse no livro e completasse o tema. EU NUNCA VOLTEI KKKKKK.

c) argumento 3: Em algumas provas me deparei com a exigência da palavra-chave exata nos espelhos de provas subjetivas e nos resumos, as vezes, usamos as nossas palavras, o que pode acabar prejudicando em algum certame.

Até que um amigo meu me orientou a começar a assistir vídeo aulas, pois, eram suficientes para atingir uma aprovação nos concursos de analista.

Chegada a prova do TJDFT. Foi um dia muito tenso e de muito nervosismo, eu me tremia para marcar as questões e escrever a redação, mas fiz a prova toda.

Quando saiu o resultado, eu tinha passado, sai ligando para o meu pai, mãe, namorada, irmão... Mas como a classificação não tinha sido muito boa (490, salvo engano), perdi as esperanças de nomeação e segui firme para o concurso do MPU que era dois meses depois.

Já adiantado nas matérias básicas, tive que começar a estudar direito do trabalho, direito processual militar e lei orgânica do MPU. Nesse momento comecei a entender que na vida dos estudos não podemos nos dar o luxo de não gostar de uma matéria e não estudar. Se está no edital pode cair e deve ser entendida. A partir desse ponto, nunca mais tive problemas em ter que aprender uma nova matéria, pois, eu sabia que era algo necessário para atingir o meu objetivo.

Chegado o final de semana da prova, eu tinha um noivado no sábado com a prova no domingo pela manhã. 

Cheguei em casa umas 2 da manhã com a prova às 8 horas. Estava cansado, porém muito relaxado e fui fazer como se fosse uma prova qualquer, não estava me pressionando como no TJDFT. Resultado, passei e é onde estou atualmente trabalhando!!!

A partir dessa aprovação que eu tinha certeza que seria chamado em 1 ano mais ou menos eu fiquei mais tranquilo para decidir qual carreira eu realmente queria.

Para tomar essa decisão pensei em alguns pontos:

- Lotação em Brasília

- Remuneração

- Pouca exposição

- Não mexer com PENAL (kkkkkkk)

A conclusão foi por uma das carreiras da AGU.

Decidido o concurso, comecei a ter estudar matérias que só tinha estudado durante a faculdade, como direito financeiro, econômico, ambiental, previdenciário, internacional, humanos. Confesso que foi um grande desafio!!!!

Em meados de 2013 saiu o edital de Procurador Federal, Procurador do Bacen e Procurador do DF.

Meti a cara nos estudos, mas como não tinha muita experiência nesse tipo de certame fiquei por pouco em todos. Na PGF eu me ferrei em ambiental e empresarial, na Proc. do Bacen eu tentei melhorar em empresarial e me ferrei em trabalho, processo do trabalho e previdenciário, e na PGDF me ferrei em processo civil e financeiro. Logo, eu sabia que para almejar a aprovação havia um longo caminho a ser percorrido ainda.

Ano de 2014: Um ano de muito estudo, mas também muita agonia aguardando a minha nomeação do MPU.

A partir de meados de 2014 começaram os boatos sobre a abertura do concurso para Advogado da União e isso me ajudou a tirar um pouco o foco da minha nomeação que estava chegando.

Como em 2014 não tivemos muitos concursos foi um ano que consegui consolidar meu estudo, e consegui terminar o edital da AGU, já tinha visto tudo de todas as matérias pelo menos uma vez.

A NOMEAÇÃO CHEGOOOOUUUU (novembro de 2014). Pense em uma pessoa feliz, mas para não dizer que não foi sofrido, o DOU que costumava ser publicado 5:40 da manhã todos os dias, no dia da minha nomeação só foi publicado 8:30 da manhã (kkkkkkk). Mas, não tem preço ver seu nome no DOU, é a melhor sensação do mundo, momento em que você olha para trás e percebe que tudo valeu a pena.

Bom, nesse dia eu percebi que eu era um pouco perturbado. Fui tomar posse e após tomar posse voltei para biblioteca estudar (kkkkk), mas, como ainda não era meu objetivo final eu pensei que se entrasse na onda das comemorações jamais voltaria para os estudos!!!

Nomeado e trabalhando, o ritmo dos estudos não reduziram, continuava a estudar pela manhã em casa, a tarde um pouco no trabalho e a noite na biblioteca. Com toda certeza, estudar já empossado em outro cargo me deixou com uma maior tranquilidade, no entanto, pode ser uma armadilha também.

Mas por que uma armadilha? Bem, com dinheiro você passa a querer viajar, a sair para mais festas e isso pode atrapalhar um pouco o seu estudo. O que eu fiz? Busquei equilibrar essas vontades com os estudos, mas sempre prevalecendo os estudos!!

Ano de 2015, onde comecei a colher os frutos da dedicação de quase 4 anos de estudos.

Em fevereiro de 2015 fiz a prova para Defensor Público da União, prova objetiva no sábado e subjetiva domingo o dia inteiro. Lá fui fazer a prova na qual seria cobrado militar, filosofia e sociologia, ou seja, para mim era uma reprovação certa. Saí da prova objetiva arrasado, não tinha a muita noção das matérias que me referi acima e achava que isso poderia me derrubar. No entanto, como já havia feito sábado e poderia ter a oportunidade de fazer uma prova subjetiva no domingo, fui fazer.

Eu tinha ficado com uma nota líquida inferior a 50% da prova, logo, jamais imaginava que iria ter minha prova subjetiva corrigida. Para minha surpresa aproveitei muitas anulações e consegui ter minha prova subjetiva corrigida, mas, como caiu penal em uma das peças eu me dei mal e não passei (kkk).

A partir dessa prova comecei a acreditar que eu poderia brigar nesses concursos maiores.

Tomei coragem de me inscrever para o concurso de Procurador do Estado do Paraná.

OBS: Prova da PGE no domingo e sábado eu tinha um casamento de um dos meus melhores amigos em Brasília. Fui ao casamento e peguei o último voo Curitiba.

Quando eu estava embarcando o Edu me mandou uma mensagem no facebook dizendo que abriria uma vaga para mim no coaching. Pense em uma pessoa que ficou muito animado com a notícia e isso me deu um gás a mais para fazer a prova.

Passei para segunda fase e comecei o coaching com o Edu. De início, ele me orientou que eu estudasse para a PGE, todavia, meu foco era AGU e não foquei na PGE.

Nesse intervalo entre a primeira e a segunda fase do Paraná fiz a prova objetiva de delegado do DF. Outra surpresa, de 100 questões eu acertei 86 e fiquei nas vagas para a segunda fase. Maaaaasss, como meu foco era AGU eu não foquei para delegado.

Resultado: estudei na última semana para PGE e passei (ainda bem.. acho que deu certo porque as matérias para AGU eram bem semelhantes). No entanto, para delegado eu nem sabia as peças do inquérito, o que me levou a reprovação por 0,75 na segunda fase. De certo modo, não foi ruim não ter passado para delegado porque o curso de formação deles foi durante a prova oral da AGU.

Pecebam que chega a um ponto dos estudos que uma reprovação já não nos abala tanto, uma vez que estamos focados no concurso que queremos e já retiramos da nossa cabeça aquele mito de que só os gênios passam. Tenho certeza de que a todos que se dedicam chega o momento de poder escolher qual concurso realmente quer.

Com a continuidade do acompanhamento do coaching do edu, vi uma grande evolução na minha fala e capacidade de argumentação, pois, a cada 15 dias tínhamos encontro pelo SKYPE e era uma hora de arguição oral, o bicho pegava. Kkkkkkk

Meados de 2015 saiu o edital da AGU, SURTEI, ACHEI QUE QUERIA MAIS UM POUCO DE TEMPO, BATEU AQUELE DESESPERO DO E AGORA? SERÁ QUE ESTOU PRONTO?

Continuei seguindo firme no meu cronograma e tentei desligar da cobrança da aprovação. Eu tentava colocar na minha cabeça de que era aquele concurso que queria e que  já vinha fazendo um bom trabalho até aqui e só precisaria continuar.

Obs: no dia da prova objetiva eu tinha um casamento de um outro grande amigo meu que começava meio dia e minha prova começava duas da tarde. Claaaro que fui ao casamento até porque no MPU eu tive noivado e passei, na PGE um casamento um dia antes e passei, delegado não tive nada relacionado a casamento e reprovei. Kkkkkkkkk. Concurseiro é bicho doido mesmo, vê lógica onde não existe.

Fiz a prova objetiva e sai quase chorando da prova, literalmente arrasado!!!!!! Não estava com vontade nem de comer.

Já estava me programando para qual seria meu próximo concurso. Acho que era tanta vontade de passar que eu estava auto me sabotando para o pior.

Quando eu corrigi a prova foi tudo ao contrário do que eu estava pensando, fui muito bem na prova objetiva e comecei os estudos para segunda fase. As vezes somos mais capazes do nós mesmo acreditamos!!!

Agora era tudo ou nada, investi uma grana em cursos para prova subjetiva! Neste intervalo entre a objetiva e a subjetiva, eu tinha uma viagem marcada para os EUA e que não dava para desmarcar, até porque eu ia pedir a namorada em casamento lá. Kkkkk.

Foram 10 dias de viagem 2 meses antes da prova subjetiva. Foi a melhor coisa que eu fiz, consegui relaxar e desfrutar da viagem. Mas, é claro que quando tinha uma brecha nos aeroportos eu dava uma lida nas atas de perguntas dos cursos e nos informativos.

Prova subjetiva dia 9 e 10 de janeiro de 2016. Tensão total, apreensão para saber se o que eu tinha estudado seria o suficiente ou não.

Bom, para encurtar a história, a prova foi anulada por um imprevisto em recife e tivemos que refazer toda a segunda fase em abril de 2016.

Mais um final de semana de puro nervosismo e apreensão de se daria certo. Ao fim das provas no domingo eu saí confiante.

Quando saiu o resultado foi uma sensação de alívio por ter passado e desespero porque teria uma prova oral em breve.

Nós sempre queremos chegar a uma prova oral, mas quando chegamos temos um sentimento de impotência e incapacidade.

Continuei os encontros com o Edu e ele me passava muita confiança, dizia que eu estava muito bem preparado e que a aprovação era certa.

Nesse momento da prova oral você nem se importa muito com a grana que está gastando nos cursos, só quer passar.

Saiu edital do cespe convocando para a prova oral, e para ter mais “sofrência”, eu era do último turno do último dia. Kkkkk

Sábado, o pessoal fez a prova pela manhã e tarde,  e para sentir o clima fui ao local de prova para conversar com os colegas. Todos estavam felizes e sorrindo, dizendo que foi tranquilo. Isso me fez muito bem.

Domingo, turno da tarde, e lá vou eu para a prova. Eram 63 candidatos para o meu turno e no sorteio da posição de arguição peguei o número 55, logo, eu sabia que passaria quase a tarde inteira aguardando.

Quando chamaram o número 55 eu nem acreditava que já era minha vez, e para vocês terem a noção de como fiquei nervoso, o mesmo frio na barriga que eu tive no dia estou tendo agora digitando esse texto, hahahaha.

Entrei na sala me tremendo e começaram as arguições. Quando chegou antes da última pergunta, eu quase chorei, mas não era de nervosismo e sim porque eu estava acertando as questões e faltava só mais uma para atingir o meu objetivo.

Sai da prova com a sensação de que passei, mas não sabia como tinha ido ao certo.

Uma semana depois saiu o resulto e tirei 97,1 na prova!!! Felicidade plena. E após essa aprovação eu comemorei muito, exatos 27 dias bebendo todos os dias. Kkkkkk

Pessoal, essa foi minha trajetória até a aprovação, espero ter mostrado para vocês que todos nós somos capazes.

Muitas pessoas duvidaram da minha capacidade quando comecei a estudar, mas hoje todos me parabenizam pelas aprovações.

Uma coisa eu digo para vocês, TODO ESFORÇO SERÁ RECOMPENSADO.

E lembrem-se, foquem no concurso que realmente querem, não fiquem pulando de edital em edital.

Por fim, quero deixar uma frase que escutei esses dias: "os dias ruins também duram só 24 hroas, e cabe a nós nas 24 horas seguintes mudar o nosso sentimento e melhorar o que estava ruim"

OBS: desculpem qualquer erro de português.

Grande Abraço.



Rafael Formolo

26 comentários:

  1. Muito bommmmm! Obrigado pelo "textão" e por nos encorajar a continuar!
    Parabéns e sucesso na carreira!
    Abs

    ResponderExcluir
  2. Meus parabéns guerreiro! Sucesso na empreitada!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns e sucesso na carreira!! Obrigada por compartilhar sua trajetória!! Adoro as postagens de domingo! Uma dose de ânimo para começar a semana!

    ResponderExcluir
  4. Rafael, texto excelente em tom coloquial super agradável de se ler! Obrigado pelo seu tempo dedicado a escrevê-lo.

    Só uma dúvida. Você falou no começo da sua jornada que estudava errado. Seria legal você compartilhar qual foi o método de estudo que deu certo pra você, se você continuou com as vídeo aulas para AGU, se o foco foi mais em lei e jurisprudência do que na doutrina etc

    Forte abraço

    ResponderExcluir
  5. Parabéns!!!! Obrigada pelas palavras:)

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Dr. Rafael! Muito bacana sua história.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns, Rafael! Sucesso na carreira. :D

    ResponderExcluir
  8. Que relato maravilhoso e motivador! Parabéns e sucesso!

    ResponderExcluir
  9. Depoimento sensacional! Amei!
    Que venham sempre depoimentos tão ricos de detalhes como esse!

    ResponderExcluir
  10. O mais da hora: o cara é normal. Sente medo, angústia, perturbação, estuda pra caramba.
    É de depoimentos assim, que demonstram a pequenez do ser humano diante da incerteza da aprovação que a gente precisa.
    Valeu, Rafael.
    Que essa coluna dominical não cesse, pois é um baita incentivo para a segunda-feira de estudos!

    ResponderExcluir
  11. Um dos melhores depoimentos aqui do site, sem dúvidas! Só faltou falar de qual método deu certo.

    ResponderExcluir
  12. O MELHOR depoimento! kkk Gente como a gente, não foi cansativo de ler, e nos fez ver que sim, TODOS somos capazes de chegar lá! Meus parabéns, Rafael! Li o depoimento sorrindo e sorrindo! Sucesso nessa nova etapa da sua vida!

    ResponderExcluir
  13. Parabéns, Rafael. Vc trouxe seu depoimento de uma forma totalmente descontraída. Curti demais! Muito sucesso!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns, Rafael. Vc trouxe seu depoimento de uma forma totalmente descontraída. Curti demais! Muito sucesso!

    ResponderExcluir
  15. Parabéns, Rafael. Vc trouxe seu depoimento de uma forma totalmente descontraída. Curti demais! Muito sucesso!

    ResponderExcluir
  16. Parabéns, Rafael. Vc trouxe seu depoimento de uma forma totalmente descontraída. Curti demais! Muito sucesso!

    ResponderExcluir
  17. Parabéns Rafael, foi tão engraçado que nem parece que foi sofrido ... kkkkkk
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pela trajetória Rafael! Acompanho seus posts aqui no site e eles são sempre de uma leitura muito agradável. Neste depoimento não foi diferente!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  19. Depoimento verdadeiro e sensacional!!! Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  20. Parabéns Dr. Rafael! Sucesso!!!! De fato, "todo esforço será recompensado! Obrigada por compartilhar sua experiência! Fiquei curiosa com essa vaga no coach do Edu! Quero demais! Como conseguir? Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Uns dos melhores que já li!! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  22. Rafael, quando você passar o Natal conosco temos muitos assuntos em pauta kkkkk, vou sugar suas orientações ao máximo. Parabéns. Isso mostra que a sua capacidade motivacional não foi abalada bem como seu foco. Bom...fico no aguardo pra gente tomar umas e você me contar várias estórias kkkk

    ResponderExcluir
  23. Parabéns pela aprovação, brother!!! Entrou no MPU um mês antes de mim e vai sair uns 2 anos antes...rs Meu foco é o MPDFT, próximo concurso só em 2018. Boa sorte, irmão!!

    ResponderExcluir
  24. MELHOR depoimento!!! Obrigada por dividir com a gente, por mostrar que é possível! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  25. Meus parabens cara .. Tambem almejo AGU

    ResponderExcluir
  26. Parabéns! Muito incentivador seu texto!

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!