Quem passa diariamente por aqui, PASSA!

SIGAM NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES e @MEUESQUEMATIZADO PARA DICAS, SORTEIOS, LIVES, NOTÍCIAS E MUITO MAIS

AS DUAS ESPÉCIES DE ESTUDO (APP @MEUORGANIZADO - www.meuorganizado.com.br)

Hoje vamos falar sobre duas espécies de estudo que são o estudo Conteúdo Programático do edital e o que convencionamentos classificar no programa como Hábitos de Estudo.
O estudo do Conteúdo Programático do edital é aquele voltado a: iniciar assuntos novos => concluir assuntos iniciados => iniciar assuntos novos => concluir assuntos iniciados => iniciar assuntos novos => concluir assuntos iniciados …
Em síntese, é aquele estudo voltado a AVANÇAR NO EDITAL.
Ocorre que se preparar para concursos públicos não é somente avançar no edital, mas também, CONCOMITANTEMENTE, adotar posturas que auxiliem na preparação para a prova.
Essas posturas são os famosos 1) “fazer questões”; 2) “revisar”; 3) “ler a lei seca”; 4) “simular a prova”; 5) “ler informativos”; 6) “ler súmulas”; e 7) “treinar discursiva”, QUANDO FOR O CASO.
O fato é que, em regra, quando você faz um você não faz o outro. Ou seja, quando você usa o seu tempo livre para fazer revisão, questões, simular a prova, etc., nesse tempo, você não verá tópicos novos do edital e isso causa uma certa aflição naqueles que se preparam para concursos.
Tendo em vista a grande quantidade de assuntos em um edital é muito comum alguns estudantes dedicaram quase todo o seu tempo livre para, somente, avançarem no estudo do conteúdo programático, deixando de lado a resolução de questões, a revisão, a leitura da lei seca, etc, hábitos esses que vão sendo postergados.
Isso é comum pois há um sentimento de que se dedicarmos todo o nosso tempo livre para avançar na matéria conseguiremos ver todos os tópicos do edital e, assim, ter mais chance de êxito na prova. Essa sensação, muitas vezes, é expressa no seguinte raciocínio:
(…) se eu tenho 30 horas de estudo livre por semana vou dedicar essas 30 horas para conseguir vencer o Conteúdo Programático e, assim, finalizar o edital mais rápido em vez de, por exemplo, dedicar 18 horas do meu tempo livre semanal para avançar no edital (60%) e 12 horas para resolver questões, fazer revisões, ler a lei seca, etc. (40%), correndo o risco de não conseguir exaurir o conteúdo programático do edital.
Acreditamos que esse modo de pensar é bastante equivocado, já que esse suposto “excesso de tempo” pode levar a uma falsa percepção de quanto tempo disponível realmente existe para o estudo teórico dos tópicos e levar o estudante a dedicar mais tempo do que o necessário para exauri-los, já que há uma tendência natural em fazer com que a matéria seja estudada no tempo disponível em vez de no tempo necessário (esse, aliás, é o conceito de procrastinação).
Ademais, não criar o costume de revisar os assuntos vistos, resolver questões, ler a lei seca, etc., pode ser bastante perigoso, seja porque:
a) pode acabar não havendo tempo hábil para fazer isso até a data da prova;
b) se você deixar para fazer isso somente após exaurir o conteúdo programático pode ser que muito do que foi aprendido já tenha sido esquecido;
c) ao não treinar questões ficará difícil saber se você está estudando de forma adequada.
Ainda, se já não bastassem todos os esses motivos, vez ou outra no seu dia sobra um tempinho livre (20 minutos por exemplo) que pode ser dedicado aos estudos, tempo esse que é difícil de ser utilizado para o estudo teórico do edital – você dificilmente vai querer começar um assunto novo ou concluir um assunto iniciado em 20 minutos –, mas que seria facilmente utilizável para hábitos de estudo (você consegue tranquilamente fazer uma quantidade razoável de questões em 20 minutos não é mesmo).
Não só isso, às vezes você tem disponibilidade de 03 (três) horas de estudo por dia, durante uma manhã, por exemplo, porque dedica seu tempo livre somente a avançar no edital, e acaba se motivando a ter 30 minutos, 1 hora a mais por dia (que podem virar mais), no período da tarde ou da noite, já que revisão, questões, leitura de informativos, por exemplo, podem ser feitas em um espaço de tempo curto sem prejuízos ao aprendizado.
Então a primeira mensagem importante que gostaríamos de te passar é a seguinte, NOS SEUS ESTUDOS NÃO ADOTE UMA POSTURA QUE PRIVILEGIE SOMENTE O ESTUDO TEÓRICO DO EDITAL, distribua bem o seu tempo livre entre as duas espécies de estudo.
Veja um exemplo:

Agora, veja o resultado dessa projeção, no Dashboard, quanto à distribuição do tempo livre:


Ou seja, nessa estrutura hipotética, 59% do tempo livre dedicado aos estudos (24 horas semanais) é voltado ao conteúdo programático (avançar no edital) e 41% do tempo livre dedicado aos estudos (17 horas semanais) para os hábitos (avançar nos estudos).
Esse é apenas um exemplo, a preponderância do tempo dedicado para uma espécie em relação a outra é algo que varia muito de proposta para proposta. No geral aquele que está iniciando a trajetória nos estudos tem uma tendência a dedicar mais tempo para o avançar no edital enquanto quem já está mais avançado nos estudos tende a fazer mais questões, revisão, leitura da lei seca, etc.
Ademais essa é apenas uma das estruturas possíveis. Quando formos falar sobre as propostas de organização dos estudos existentes (CALENDÁRIO CLÁSSICO, CICLO DE ESTUDO, etc) aprofundaremos essa questão.
A ideia aqui era ressaltar a importância de não adotar uma postura, uma estratégia de estudo, que privilegie somente o exclusivo avanço teórico no conteúdo programático do edital.
Era isso gente. 
Conheçam nosso organizador de estudos no site www.meuorganizado.com.br
Eduardo, em 1/12/2018
No instagram @eduardorgoncalves e @meuorganizado 

2 comentários:

  1. Eduardo, eu sigo o seu edital esquematizado, mas estou com uma dúvida, qual o melhor método? Exaurir uma matéria por vez ou seguir o cronograma de duas matérias por dia?

    ResponderExcluir

Sua interação é fundamental para nós!

GOSTOU DO SITE? ENTÃO NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR NO INSTAGRAM @EDUARDORGONCALVES e @MEUESQUEMATIZADO